outras imagens do produto

ABC do Bê Ó

Jacques Arlindo dos Santos

Seja o primeiro a avaliar este produto

Disponibilidade: Disponível

12,58 US$

Data estimativa de entrega
Depende do Serviço / Veja informações de envio

Data estimativa de despacho
14/12/2016 - 16/12/2016


Sumário

Livro capa mole

Detalhes

Aferindo-se "o direito de falar de Luanda e até mesmo de fazer um retrato dela", o nosso "matuense de Calulo-Libolo, de sua graça Jacques Arlindo dos Santos (JAS), apresenta-nos uma imagem diferente do Bê Ó, esse "mundo à parte" que, para muitos de nós, foi e ainda é sinónimo de zona do "munhungu". É que, ainda que sejam Hortência e Interesse, duas mulheres da vida, as verdadeiras heroínas deste "romance" do Bairro Operário, e a pitada de sal que, à medida certa, tempera as letras com que JAS cose (urde) esta longa escritura, com este ABC fica, de uma vez por todas, enterrada a má fama que sempre esteve aliada ao Bê Ó. Porque é a partir deste livro que se fica a saber que o Bairro Operário foi o berço de uma plêiade nacionalista que muito contribuiu para a emancipação de Angola e, neste nosso agora, toma assento nas cadeiras da governação. Nele viveu e cresceu o primeiro presidente da Angola independente, António Agostinho Neto, havendo, como o autor refere, uma "relação nítida e taxativa entre o Bê Ó e a luta de libertação nacional". Aceite o convite que JAS nos formula, entramos sem bilhete - pois o autor nos considera a nós, leitores da sua obra, personagens de eleição da mesma - na máquina do tempo onde ele nos apresenta rostos magníficos, vestes de espanto e dramáticas outras, aromas de um tempo que já não volta mais... Não é só história do Bairro Operário que o autor aqui regista. Nas entrelinhas, lê-se avidamente a história da grande urbe capitalina, erigida por nativos e colonos, dos quais se destaca a figura emblemática do comerciante, vulgo fubeiro... Este livro é amenizado por inúmeras cenas hilariantes, outras quantas dramáticas, que ilustram o seu lado criativo, ou seja, lhe conferem o tom literário, que o fará, certa e seguramente, figurar entre as mais belas obras da nossa literatura. Cultiva um género que já fez escola com o percursor Óscar Ribas e teve exímios correlegionários pela pena de Wanhenga Xitu, mas ao qual já JAS empresta o seu estilo pessoal, ao qual já nos habituou, um estilo mais fluído, a buscar na linguagem oral popular dos nossos dias a necessária recriação que só o génio é capaz de revelar... E a visita guiada, para a qual JAS nos convidou, termina como começou, com Zuza, mulato bêbedo de calulo, jogador de futebol como poucos, o primeiro homem do Bê Ó que o autor conheceu! Mas não acaba mesmo. Porque a história do Bê Ó está sempre a refazer-se e ninguém, nem mesmo autores devotados como JAS, pode algum dia acabar de contá-la. Em nós se cumpre à letra, depois desta "incursão" aos segredos mais recônditos do Bê Ó, a lei irrevogável de que "quando se conhece o Bairro Operário passa-se a ser, nem que seja por um só momento, do Bairro Operário". José Luís Mendonça

Características do Produto

Autor Jacques Arlindo dos Santos
Editora Chá de Caxinde
N.° da Edição 2
Ano de publicação 2012
Números de Páginas 328
Formato Livro capa mole
Língua Português
ISBN 9789898498151
País de origem Angola
Código 20012
Dimensão [cm] 22,8 x 15 x 1,7
Peso [kg] 0.5390
Sobre o Autor JACQUES ARLINDO DOS SANTOS nasceu em CaIulo - Libolo - Kwanza Sul, a 6 de Outubro de 1943. Profissional de seguros na reforma, é Presidente do Conselho Directivo da Associação Cultural e Recreativa Chá de Caxinde, desde a sua fundação em 1989. Antigo deputado à Assembleia Nacional pelo MPLA, é cronista e membro da União dos Escritores Angolanos, tendo sido distinguido com a Comenda da Ordem de Rio Branco, pela Embaixada do Brasil. É autor de: Casseca-Cenas da vida em Calulo, ABC do Bê Ó, Chove na Grande Kitanda, Berta Ynari ou o pretérito imperfeito da vida (Grande Prémio Sonangol de Literatura) e Kasakas & Cardeais. Tem trabalhos inseridos em algumas antologias de contos.
Categoria Crónicas » Descobre mais nessa categoria