outras imagens do produto

Conto da Sereia

Onofre dos Santos

Seja o primeiro a avaliar este produto

Disponibilidade: Não disponível

12,58 US$


Sumário

Livro capa mole

Detalhes

No primeiro conto, "Diálogos na areia", Octávio é um daqueles miúdos que na ilha de Luanda se arremessa contra as ondas que se desfazem na praia deslizando com a sua chapa de madeira, o seu "kalema board". Ele sonha à noite com cada onda do dia seguinte, até que ele descobre Cecília, uma mulher feita comparada com ele ... mas a diferença de idade, como o tamanho das ondas, foi mais um doce desafio de superação a que se entrega com o mesmo ardor e entusiasmo. Octávio e Cecília voltam a encontrar-se ou a desencontrar-se ao longo dos contos, ora trocando de papéis e de idade como no conto" A mulher imaginária" ora assumindo outras circunstâncias de tempo e de modo embora quase sempre no lugar inspirador de Luanda e da sua ilha. No conto "Luanda o primeiro dia" Octávio é também o nome do primeiro homem de Paulo Dias de Novais a desembarcar na ilha, há quatrocentos anos atrás, como o Octávio do primeiro conto é certamente o velho que agora conta aos miúdos da praia a história do nome da cidade. No último conto - "A porta" - explica-se como o tempo pode ter uma outra dimensão e assemelhar-se a um labirinto em que se pode ir do passado ao futuro, desde que se tenha um fio condutor para se encontrar a saída. No primeiro conto, "Diálogos na areia", Octávio é um daqueles miúdos que na ilha de Luanda se arremessa contra as ondas que se desfazem na praia deslizando com a sua chapa de madeira, o seu "kalema board". Ele sonha à noite com cada onda do dia seguinte, até que ele descobre Cecília, uma mulher feita comparada com ele ... mas a diferença de idade, como o tamanho das ondas, foi mais um doce desafio de superação a que se entrega com o mesmo ardor e entusiasmo. Octávio e Cecília voltam a encontrar-se ou a desencontrar-se ao longo dos contos, ora trocando de papéis e de idade como no conto" A mulher imaginária" ora assumindo outras circunstâncias de tempo e de modo embora quase sempre no lugar inspirador de Luanda e da sua ilha. No conto "Luanda o primeiro dia" Octávio é também o nome do primeiro homem de Paulo Dias de Novais a desembarcar na ilha, há quatrocentos anos atrás, como o Octávio do primeiro conto é certamente o velho que agora conta aos miúdos da praia a história do nome da cidade. No último conto - "A porta" - explica-se como o tempo pode ter uma outra dimensão e assemelhar-se a um labirinto em que se pode ir do passado ao futuro, desde que se tenha um fio condutor para se encontrar a saída. No primeiro conto, "Diálogos na areia", Octávio é um daqueles miúdos que na ilha de Luanda se arremessa contra as ondas que se desfazem na praia deslizando com a sua chapa de madeira, o seu "kalema board". Ele sonha à noite com cada onda do dia seguinte, até que ele descobre Cecília, uma mulher feita comparada com ele ... mas a diferença de idade, como o tamanho das ondas, foi mais um doce desafio de superação a que se entrega com o mesmo ardor e entusiasmo. Octávio e Cecília voltam a encontrar-se ou a desencontrar-se ao longo dos contos, ora trocando de papéis e de idade como no conto" A mulher imaginária" ora assumindo outras circunstâncias de tempo e de modo embora quase sempre no lugar inspirador de Luanda e da sua ilha. No conto "Luanda o primeiro dia" Octávio é também o nome do primeiro homem de Paulo Dias de Novais a desembarcar na ilha, há quatrocentos anos atrás, como o Octávio do primeiro conto é certamente o velho que agora conta aos miúdos da praia a história do nome da cidade. No último conto - "A porta" - explica-se como o tempo pode ter uma outra dimensão e assemelhar-se a um labirinto em que se pode ir do passado ao futuro, desde que se tenha um fio condutor para se encontrar a saída. No primeiro conto, "Diálogos na areia", Octávio é um daqueles miúdos que na ilha de Luanda se arremessa contra as ondas que se desfazem na praia deslizando com a sua chapa de madeira, o seu "kalema board". Ele sonha à noite com cada onda do dia seguinte, até que ele descobre Cecília, uma mulher feita comparada com ele ... mas a diferença de idade, como o tamanho das ondas, foi mais um doce desafio de superação a que se entrega com o mesmo ardor e entusiasmo. Octávio e Cecília voltam a encontrar-se ou a desencontrar-se ao longo dos contos, ora trocando de papéis e de idade como no conto" A mulher imaginária" ora assumindo outras circunstâncias de tempo e de modo embora quase sempre no lugar inspirador de Luanda e da sua ilha. No conto "Luanda o primeiro dia" Octávio é também o nome do primeiro homem de Paulo Dias de Novais a desembarcar na ilha, há quatrocentos anos atrás, como o Octávio do primeiro conto é certamente o velho que agora conta aos miúdos da praia a história do nome da cidade. No último conto - "A porta" - explica-se como o tempo pode ter uma outra dimensão e assemelhar-se a um labirinto em que se pode ir do passado ao futuro, desde que se tenha um fio condutor para se encontrar a saída. No primeiro conto, "Diálogos na areia", Octávio é um daqueles miúdos que na ilha de Luanda se arremessa contra as ondas que se desfazem na praia deslizando com a sua chapa de madeira, o seu "kalema board". Ele sonha à noite com cada onda do dia seguinte, até que ele descobre Cecília, uma mulher feita comparada com ele ... mas a diferença de idade, como o tamanho das ondas, foi mais um doce desafio de superação a que se entrega com o mesmo ardor e entusiasmo. Octávio e Cecília voltam a encontrar-se ou a desencontrar-se ao longo dos contos, ora trocando de papéis e de idade como no conto" A mulher imaginária" ora assumindo outras circunstâncias de tempo e de modo embora quase sempre no lugar inspirador de Luanda e da sua ilha. No conto "Luanda o primeiro dia" Octávio é também o nome do primeiro homem de Paulo Dias de Novais a desembarcar na ilha, há quatrocentos anos atrás, como o Octávio do primeiro conto é certamente o velho que agora conta aos miúdos da praia a história do nome da cidade. No último conto - "A porta" - explica-se como o tempo pode ter uma outra dimensão e assemelhar-se a um labirinto em que se pode ir do passado ao futuro, desde que se tenha um fio condutor para se encontrar a saída. No primeiro conto, "Diálogos na areia", Octávio é um daqueles miúdos que na ilha de Luanda se arremessa contra as ondas que se desfazem na praia deslizando com a sua chapa de madeira, o seu "kalema board". Ele sonha à noite com cada onda do dia seguinte, até que ele descobre Cecília, uma mulher feita comparada com ele ... mas a diferença de idade, como o tamanho das ondas, foi mais um doce desafio de superação a que se entrega com o mesmo ardor e entusiasmo. Octávio e Cecília voltam a encontrar-se ou a desencontrar-se ao longo dos contos, ora trocando de papéis e de idade como no conto" A mulher imaginária" ora assumindo outras circunstâncias de tempo e de modo embora quase sempre no lugar inspirador de Luanda e da sua ilha. No conto "Luanda o primeiro dia" Octávio é também o nome do primeiro homem de Paulo Dias de Novais a desembarcar na ilha, há quatrocentos anos atrás, como o Octávio do primeiro conto é certamente o velho que agora conta aos miúdos da praia a história do nome da cidade. No último conto - "A porta" - explica-se como o tempo pode ter uma outra dimensão e assemelhar-se a um labirinto em que se pode ir do passado ao futuro, desde que se tenha um fio condutor para se encontrar a saída.

Características do Produto

Autor Onofre dos Santos
Editora Chá de Caxinde
N.° da Edição 1
Ano de publicação 2013
Números de Páginas 122
Formato Livro capa mole
Língua Português
ISBN 9789898498243
País de origem Angola
Código 20044
Dimensão [cm] 15 x 23 x 0,8
Sobre o Autor O Conto da sereia é a estreia de Onofre dos santos na ficção Dez anos de pois de ter publicado “Os Meus Dia de Independência” um diário íntimo dos dias que viveu na altura da proclamação da independência de Angola e cinco anos depois das crónicas escritas na Guiné Bissau “Eleições em tempo de Cólera”. Advogado em Luanda, Cidade onde nasceu, atualmente Juiz conselheiro do Tribunal Constitucional de Angola, tem vindo a publicar semanalmente, desde Maio de 2012, no semanário angolano “O País”, pequenas histórias, algumas das quais aparecem reunidas nesta sua primeira coletânea a que outras em breve se seguirão. O Conto da sereia é a estreia de Onofre dos santos na ficção Dez anos de pois de ter publicado “Os Meus Dia de Independência” um diário íntimo dos dias que viveu na altura da proclamação da independência de Angola e cinco anos depois das crónicas escritas na Guiné Bissau “Eleições em tempo de Cólera”. Advogado em Luanda, Cidade onde nasceu, atualmente Juiz conselheiro do Tribunal Constitucional de Angola, tem vindo a publicar semanalmente, desde Maio de 2012, no semanário angolano “O País”, pequenas histórias, algumas das quais aparecem reunidas nesta sua primeira coletânea a que outras em breve se seguirão. O Conto da sereia é a estreia de Onofre dos santos na ficção Dez anos de pois de ter publicado “Os Meus Dia de Independência” um diário íntimo dos dias que viveu na altura da proclamação da independência de Angola e cinco anos depois das crónicas escritas na Guiné Bissau “Eleições em tempo de Cólera”. Advogado em Luanda, Cidade onde nasceu, atualmente Juiz conselheiro do Tribunal Constitucional de Angola, tem vindo a publicar semanalmente, desde Maio de 2012, no semanário angolano “O País”, pequenas histórias, algumas das quais aparecem reunidas nesta sua primeira coletânea a que outras em breve se seguirão. O Conto da sereia é a estreia de Onofre dos santos na ficção Dez anos de pois de ter publicado “Os Meus Dia de Independência” um diário íntimo dos dias que viveu na altura da proclamação da independência de Angola e cinco anos depois das crónicas escritas na Guiné Bissau “Eleições em tempo de Cólera”. Advogado em Luanda, Cidade onde nasceu, atualmente Juiz conselheiro do Tribunal Constitucional de Angola, tem vindo a publicar semanalmente, desde Maio de 2012, no semanário angolano “O País”, pequenas histórias, algumas das quais aparecem reunidas nesta sua primeira coletânea a que outras em breve se seguirão. O Conto da sereia é a estreia de Onofre dos santos na ficção Dez anos de pois de ter publicado “Os Meus Dia de Independência” um diário íntimo dos dias que viveu na altura da proclamação da independência de Angola e cinco anos depois das crónicas escritas na Guiné Bissau “Eleições em tempo de Cólera”. Advogado em Luanda, Cidade onde nasceu, atualmente Juiz conselheiro do Tribunal Constitucional de Angola, tem vindo a publicar semanalmente, desde Maio de 2012, no semanário angolano “O País”, pequenas histórias, algumas das quais aparecem reunidas nesta sua primeira coletânea a que outras em breve se seguirão. O Conto da sereia é a estreia de Onofre dos santos na ficção Dez anos de pois de ter publicado “Os Meus Dia de Independência” um diário íntimo dos dias que viveu na altura da proclamação da independência de Angola e cinco anos depois das crónicas escritas na Guiné Bissau “Eleições em tempo de Cólera”. Advogado em Luanda, Cidade onde nasceu, atualmente Juiz conselheiro do Tribunal Constitucional de Angola, tem vindo a publicar semanalmente, desde Maio de 2012, no semanário angolano “O País”, pequenas histórias, algumas das quais aparecem reunidas nesta sua primeira coletânea a que outras em breve se seguirão.
Categoria Contos » Descobre mais nessa categoria