outras imagens do produto

Maquis e Arredores

Siona Casimiro

Seja o primeiro a avaliar este produto

Disponibilidade: Disponível

18,87 US$

Data estimativa de entrega
Depende do Serviço / Veja informações de envio

Data estimativa de despacho
04/05/2017 - 08/05/2017


Sumário

Livro capa mole

Detalhes

O autor do trabalho “Maquis e Arredores” – apresentado sob formato de uma colectânea – logo à partida, esclarece que o mesmo constitui um subsídio à História de Angola e do Povo Angolano, relativamente ao tempo passado, às suas peripécias com reflexos até os dias de hoje e a visão prospectiva do amanhã. Período fervoroso da história da libertação de Angola e do Povo Angolano a partir do exterior, na vertente do movimento independentista. A colectânea sistematizada com base nos excertos oriundos de articulistas (profissionais, não profissionais, amadores ou ainda curiosos da imprensa), naquelas condições da época, tratando do processo da independência de Angola e da libertação do Povo, é de facto uma memória dinâmica, ainda mais nova e activa do Povo Angolano perante a sua História.

Características do Produto

Autor Siona Casimiro
Editora Mayamba
N.° da Edição 1
Ano de publicação 2011
Números de Páginas 316
Formato Livro capa mole
Língua Português
ISBN 9789898528100
País de origem Angola
Código 40050
Dimensão [cm] 22,9 x 15,4 x 1,8
Sobre o Autor Siona Casimiro, nasceu a 12 de Maio de 1944 em Matadi, sede provincial do Baixo Congo (República Democrática do Congo). Os pais, oriundos do município de Cuimba, província do Zaire (Angola), tinham emigrado para a citada região. Diplomado do Centro de Formação Profissional de Jornalismo (CFPJ) de Paris, recebe a carteira pela primeira vez em 1969, após estagiar na “Agence Congolaise de Presse (ACP) ”. Trabalhou depois em vários órgãos, fora e dentro do país, mormente, a “Agence France Presse”, ANGOP (um dos seus pioneiros), a PANA, “Associeted Press”. É representante chefe de Redacção do jornal “O Apostolado” e membro do Conselho Editorial da “Rádio Eclésia”. Coordenou, em Kinshasa, o projecto de criação da Associação Democrática dos Jornalistas Angolanos no exílio. E cá, activou-se na iniciativa de fundar o Sindicato dos Jornalistas Angolanos e o MISA-Angola.
Categoria Memórias » Descobre mais nessa categoria